sábado, abril 03, 2010

O que está em jogo num jogo de futebol?

Para responder a esta pergunta há que começar por entender que um jogo de futebol é uma competição e que, como tal, dela resulta um vencedor. Este será aquele que joga melhor, pelo menos nas condições criadas pelo confronto. Além disso, quando nos identificamos com um clube de futebol e desejamos que a nossa equipa ganhe, subentende-se nessa postura uma relação entre o jogo e os processos pelos quais ocorre a identificação. Por isso, só queremos que certos jogadores ganhem quando são os nossos jogadores, e são os nossos quando existe alguma identidade entre nós e eles. Neles queremos ser melhores.


Assentes nestas considerações simples, relacionemos este fenómeno com os conteúdos de
identificação já discutidos aqui e aqui, mas supondo a sua existência. Por exemplo, se preenchermos a nossa aproximação a um clube de futebol com um conteúdo regionalista (ser-se do Benfica porque se é natural de Lisboa, ser-se do FC do Porto porque se vive no Porto) e o confrontarmos com a realidade actual, vemos como aparece divorciado do jogo: poucos são os jogadores do Benfica que são de Lisboa ou do FC do Porto que são do Porto, ou mesmo de Portugal; aliás, a internacionalização e a livre troca de jogadores intensificou este estado mesmo para as selecções. Seguindo este rasto regionalista, só nas estruturas de gestão encontramos indivíduos da região, o que nos autoriza a concluir que, se o conteúdo de identificação com um clube for regionalista, o que estará efectivamente em jogo num jogo de futebol não será os nossos jogadores serem os melhores mas a capacidade dos nossos gestores (supondo que são da região) escolherem e gerirem os jogadores e até o treinador.


Poder-se-á dizer que o que está em causa não é isso; é outra coisa, são valores e características psico-sociais distintos expressos em simbologias e tipos de adeptos. Isto é, por exemplo, o Benfica representa o povo e o Sporting as elites. Neste caso, o abismo entre o jogo e os conteúdos de identificação não é menor, pelo contrário. Supondo que existem, encontrar estes elementos no jogo com consistência intencional é quase impossível. O que existe na actual equipa do Benfica que resulte da associação do clube ao povo? E no Sporting, o que há de elitista? No Benfica os jogadores ou os gestores são escolhidos entre o povo? No Sporting, entre as elites? Sabemos que não. Se no caso do regionalismo recuámos dos jogadores até aos gestores, neste temos que seguir até aos símbolos e à história. Eventualmente, embora seja discutível, os símbolos do Benfica e a sua história são mais populares e os do Sporting mais elitistas. Se assim for, seremos obrigados a afirmar que o que está em jogo num jogo de futebol é o efeito das nossas cores, emblemas e tradições sobre os jogadores e os gestores, o que acontecerá a um nível altamente abstracto e cada vez mais posto em causa pela mercadorização do jogo – os patrocínios intersectam a simbologia tradicional.


Provavelmente, outros exemplos poderiam ser dados como possíveis conteúdos de identificação clubista. Contudo, julgo que todos teriam o mesmo resultado: serem exteriores ao jogo. Hoje, com a globalização e um certo fragmentar de identidades e territórios, estes fenómenos são puras forças circunstanciais, principalmente nos grandes clubes. O Benfica, enquanto equipa de futebol, não é mais do que onze indivíduos que jogam e em torno dos quais uma força tremenda de identificação exógena se acopla como estratégia económica e emocional. A relação entre os jogadores e essa estrutura, em geral, constrói-se depois, não é espontânea. O que está em jogo no jogo é só o jogo. O resto é um exterior sobre o jogo. Defende-se aqui outra coisa? Seria melhor de outro modo? Talvez não. O inverso ajudaria a forjar o perigo do nacionalismo.

2 comentários:

Ines disse...

de acordo contigo...creio, no entanto, que para a maioria dos clubistas, interessa menos o jogo em si, do q essa identificação de «serem melhores» através do clube... infelizmente...

Pedro disse...

sim, é provável...